Cobogó: o que é, tipos, vantagens e desvantagens

O cobogó é um elemento modular para vedar superfícies verticais em construções. Confira o que é, seus principais tipos, vantagens e desvantagens.

Cobogó é um elemento modular que tem a função de vedar de superfícies verticais em construções. Pode ser classificado como uma esquadria, pois não assume as mesmas funções de uma parede de vedação comum.

Apesar de que seja assentado com argamassa, similar a blocos cerâmicos de vedação, todas as juntas são perpendiculares e coincidentes, não havendo amarração.

Assim como no caso dos tijolos de vidro, é recomendável que se utilize barras de aço dentro das juntas de argamassa, dando maior sustentação ao conjunto.

Tipos de cobogó

Os cobogós mais tradicionais são aqueles de cerâmica vermelha natural. Vários são os formatos possíveis, sendo que alguns possuem declividades para impedir a acumulação de umidade sobre as peças.

Cobogó de cerâmica
Cobogó de cerâmica (Fonte: Dalsam)

Também é possível encontrar no mercado peças de cobogó cerâmico com pintura, similar às peças de revestimento utilizadas como pisos e azulejos. A variedade de cores permite formar interessantes combinações arquitetônicas.

Cobogó cerâmico com pintura
Cobogó cerâmico com pintura (Fonte: Archtrends)

Pode-se adquirir, também, cobogós em gesso. Neles, a variedade de cores e formas é imensa.

Cobogó de gesso
Cobogó de gesso (Fonte: Homify)

Uma última opção está nos cobogós em concreto. Eles podem, de maneira semelhante aos cobogós cerâmicos, ter um único vão vazado, ou serem peças maiores, o que garante maior produtividade de assentamento e maior cobertura.

Cobogó de concreto
Cobogó de concreto

Aplicações do cobogó

As aplicações dos cobogós são as seguintes:

  • Como vedações externas, em divisas de terrenos, muros, garagens ou outros locais onde se pretende fazer barreira parcial à luz e ao vento.
  • Como vedações internas, fazendo divisões de cômodos ou de espaços. Uma ideia interessante está no uso na região de entrada, preservando a intimidade da casa.
  • Formando brises em locais onde as janelas pegam sol da tarde.
  • Na proteção de equipamentos que ficam externos à edificação, mas que ainda assim precisam de ventilação parcial, como aparelhos de ar condicionado.
  • Como parapeitos de sacadas, desde que recebam peças adequadas para peitoril.
  • Em bancadas de apartamentos ou entre cozinha e sala de jantar em residências.
  • Em residências em alvenaria e assoalho de madeira, permitem produzir aberturas de ventilação para garantir a durabilidade desse assoalho e impedir a entrada de alguns tipos de animais, como gatos.

Cobogó e construção sustentável

Os cobogós são elementos construtivos que permitem a passagem parcial de luz e ventilação natural. Com o sombreamento, contribuem favoravelmente à melhoria do conforto térmico das edificações, podendo reduzir o uso de dispositivos que utilizam energia elétrica, como ventiladores ou aparelhos de ar condicionado.

Também permitem, se adequadamente posicionados, o favorecimento no uso de alguns cômodos ou regiões externas que dificilmente seriam utilizados por conta da insolação excessiva.

Eles podem ser produzidos com diferentes materiais, como opções em madeira, concreto ou gesso. A vantagem dos cobogós, principalmente em grandes vãos e em locais de divisa, é a durabilidade, exigindo menos manutenções do que peças em madeira envernizada, por exemplo.

Vantagens do cobogó

O uso de cobogós como elemento arquitetônico apresenta as seguintes vantagens:

  • Variedade de modelos e estilos, que permite harmonizar esteticamente com diferentes estilos de casas.
  • Forma simples de dividir espaços e ainda assim manter uma sensação de continuidade em função das partes vazadas.
  • Elemento que pode ser utilizado na renovação de fachadas.
  • Forma de aproveitar áreas externas de sacada e alpendre e integrá-las às residências, sem perder o aspecto de proximidade com jardins.
  • Alguns modelos podem ter vãos que permitem boa ventilação quando a necessidade desta é permanente, como para equipamentos de aquecimento de água a gás.

Desvantagens do cobogó

Por outro lado, o uso de cobogós apresenta as seguintes desvantagens:

  • Os modelos cerâmicos convencionais podem acumular mofo e sujeira, principalmente se não forem limpos de forma adequada e periodicamente.
  • Os cobogós são modulares por permitirem a junção de tantos elementos quantos forem necessários para a cobertura da superfície desejada. Entretanto, eles são unidos entre si por argamassa, ou seja, com ancoragem mecânica. A reutilização exige muito cuidado ou pode não ser possível.
  • Os brises que protegem equipamentos externos exigem alguma abertura para acesso, seja no interior da edificação, seja pelo distanciamento entre a superfície revestida e a vedação externa do edifício. Essa necessidade também ocorre por os cobogós serem elementos fixos.
  • O uso externo como vedação pode impedir o conforto na utilização em locais de nosso país onde o clima for bastante frio no inverno. Para isso, alguns projetistas têm optado por associar o cobogó a alguma barreira física, como janelas em vidro internas, que mantém a capacidade de utilização nesses períodos.
  • Cobogós representam uma redução de luminosidade, que precisa ser bem avaliada no posicionamento desse modelo de vedação. Pode ser interessante, dada a vasta quantidade de modelos, trocar um tipo de cobogó por outro com vazios maiores para manter a beleza estética sem perder muito da iluminação.

Quer citar este artigo em seu trabalho? Utilize o modelo abaixo:

PEREIRA, Caio. Cobogó: o que é, tipos, vantagens e desvantagens. Escola Engenharia, 2019. Disponível em: https://www.escolaengenharia.com.br/cobogo/. Acesso em: 20 de fevereiro de 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *