Escola Engenharia > Acabamentos > Piso Intertravado: O que é, principais tipos, vantagens e desvantagens

Piso Intertravado: O que é, principais tipos, vantagens e desvantagens

O piso intertravado é um tipo de pavimento formado por blocos de concreto com intertravamento. Confira o que são, seus tipos, vantagens e desvantagens.

Por Caio Pereira • Atualizado em 16 de janeiro de 2019

O piso intertravado é um tipo de pavimento em que o revestimento é formado por blocos de concreto com intertravamento por areia de selagem. As cargas a que o pavimento é exposto são distribuídas pelos blocos e resistidas em conjunto, por isso a importância do intertravamento adequado.

Um piso intertravado não se desloca lateralmente quando solicitado, nem rotaciona, nem translaciona. É muito importante que as faces de cada bloco sejam bem produzidas e paralelas, o que também garante o travamento. Esse é um critério de aceitação do material em função desse aspecto.

Eles podem ser utilizados para a pavimentação de ruas, acessos internos e estacionamentos, calçadas e passeios. Em suas extremidades, é necessário inserir elementos de contenção, como cordões em concreto (que podem ser igualmente modulares).

Tipos de pisos intertravados

As variações podem acontecer quanto ao formato do bloco e sua função.

Quanto ao formato, temos:

Piso intertravado retangular
Piso intertravado retangular
Piso intertravado 16 faces
Piso intertravado dezesseis faces
Piso intertravado modelo raquete
Piso intertravado raquete

Ou ainda, quanto à função, os blocos podem ter a função única de revestimento (como os acima apresentados), possuir sinalização podotátil ou produzir áreas de estacionamento com bastante permeabilidade por espaços vazados.

Piso intertravado podotátil direcional
Piso intertravado podotátil direcional
Piso intertravado de alerta
Piso intertravado de alerta
Piso intertravado vazado com grama
Piso intertravado vazado

Realizando projetos mais sustentáveis com pisos intertravados

Os pavimentos de concreto geram impactos significativos no meio ambiente, bem como aqueles com revestimento em concreto betuminoso usinado à quente (CBUQ – asfálticos). Por outro lado, cresce a preocupação com empreendimentos de construção que levem aspectos de sustentabilidade em sua concepção.

Os pavimentos intertravados levam blocos de concreto, mas apresentam algumas vantagens em termos técnicos e de sustentabilidade que os fazem se destacar das demais opções. Os impactos se tornam menores à medida que eles permitem manutenções sem perda de material (são módulos reaproveitáveis), podem ser manejados de forma manual, permitem reduzir escoamentos superficiais (com filtragem no terreno), dentre outras vantagens.

A opção pelos pisos intertravados, desde que adequadamente especificados e escolhidos, corresponde à escolha de um material com menor energia embutida. Isso significa que esse material, ao longo de toda a sua vida útil, irá gerar menor consumo energético se comparado aos demais tipos de revestimento, e isso é extremamente relevante, visto que geração de energia é uma das maiores responsáveis pela emissão de gases do efeito estufa.

Escolha dos blocos

Dependendo da função daquele pavimento, do aspecto estético que se busca e coloração necessária, será feita a opção por um outro formato de bloco. Quem conhece pavimentos utilizados em ruas pelo país deve ter-se questionado quanto à falta do modelo hexagonal na lista acima.

Este modelo ficou famoso pela baixa qualidade em muitas aplicações, por ter sido produzido simplesmente pela aplicação de concreto simples em forma. Ainda podem existir fabricações manuais seguindo esse modelo, mas elas dificilmente chegarão a bons resultados mecânicos.

Os modelos a serem especificados devem ter produção industrial. Nas fábricas, um concreto com pouca água em seu traço e consistência similar a uma “farofa” é posto em formas e passa por vibroprensagem. Após, sofre cura úmida por vapor em câmaras fechadas.

O fck pode superar os 40 MPa para estes blocos. Segundo a NBR 9781/2013, a resistência à compressão dos blocos mínima para veículos comerciais de linha é de 35 MPa e para solicitações mais pesadas e efeitos de abrasão acentuados, superior a 50 MPa.

Execução

Para a execução de pavimentos intertravados, segue-se o seguinte roteiro:

  1. Caso haja desenhos especiais ou alguma sinalização, com peças diferentes, deve-se elaborar algum desenho técnico com a paginação, para que quem for executar não perca tempo pedindo informações ou pensando a respeito. Os operários da construção gostam de poder produzir.
  2. Checar redes de instalações subterrâneas e compactar o solo de subleito.
  3. Executar base com material britado de espessura mínima de 10 cm e devidamente compactada.
  4. Assentamento de blocos.
  5. Pequenos ajustes e compactação.
  6. Espalhamento da areia de selagem.
  7. Segunda compactação e limpeza.
  8. Liberação do tráfego.

Vantagens dos pisos intertravados

As vantagens no uso desse pavimento são as seguintes:

Desvantagens dos pisos intertravados

Algumas desvantagens podem ser citadas quando tratamos de intertravados:

Quer citar este artigo em seu trabalho? Utilize o modelo abaixo:

PEREIRA, Caio. Piso Intertravado: O que é, principais tipos, vantagens e desvantagens. Escola Engenharia, 2018. Disponível em: https://www.escolaengenharia.com.br/piso-intertravado/. Acesso em: 21 de agosto de 2019.

Copiado!

Relacionados

O que você achou deste conteúdo? Tem alguma dúvida? Conte nos comentários.

  1. Raphael Nepomuceno
    1 de abril de 2019

    Muito boa a matéria. Tenho uma dúvida. Tenho um galpão com piso de concreto batido, sendo que compramos uma empilhadeira com 5 toneladas de peso total. O piso não está suportando a movimentação da máquina e está quebrando. Estou pensando em colocar piso intertravado por cima do piso batido, tem algum problema? O intertravado vai suportar o peso da empilhadeira?

  2. Gustavo Wertheimer
    19 de março de 2019

    Esse tipo de piso é bom para quintal com cachorro? Pergunto pela drenagem de xixi e cocô pelo bloco e eventual cheiro que possa ficar.

  3. Waldemir
    19 de março de 2019

    Muito legal esta matéria, estou desenvolvendo um TCC sobre construções sustentáveis, e isso me ajudou muito. Parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *