Aprenda 3 DICAS para se tornar um MELHOR engenheiro:

ESTACA FRANKI: Processo Executivo, Vantagens e Desvantagens

A estaca Franki é um tipo de estaca cravada que é moldada no próprio local de sua execução. A estaca do tipo Franki se caracteriza pela utilização de uma base alargada ou bulbo preenchido com material granular (bucha seca) ou concreto. A bucha seca pode ser um tampão de brita com areia ou concreto magro.

As estacas Franki são fundações profundas dimensionadas para que a carga originada da superestrutura seja suportada pela resistência de ponta e pela resistência lateral.

Essas estacas são executadas com o auxílio de um bate estacas que realiza a cravação de seus elementos no solo por meio de golpes de um pilão. A armadura e o concreto são inseridos na estaca à medida que o tubo vai sendo retirado do solo.

O fuste pode ser executado com revestimento perdido ou não, ou ainda com elemento pré moldado.

Processo executivo da Estaca Franki

1. Locação das estacas

Primeiramente, deve-se realizar a locação das estacas no terreno e suas posições devem seguir rigorosamente o projeto de fundações realizado por engenheiro calculista responsável pelo dimensionamento.

2. Perfuração do solo

A estaca Franki é cravada no solo por meio de golpes de um pilão de um bate estacas. Esse processo de cravação gera muitas vibrações no solo, podendo causar danos as edificações vizinhas.

Para estacas de até 15 metros de profundidade, deve-se utilizar pilão com massa mínima de 1,0 a 3,0 toneladas com o diâmetro variando de 300 a 600 milímetros, conforme tabela abaixo (conforme NBR 6122/2010):

Diâmetro da estaca (mm) Massa mínima do pilão (t) Diâmetro mínimo do pilão (t)
300 1,0 180
350 1,5 220
400 2,0 250
450 2,5 280
520 2,8 310
600 3,0 380

Para estacas de comprimento maior do que 15 metros, deve-se aumentar a massa mínima do pilão.

3. Execução da base alargada

A base alargada ou o bulbo da estaca Franki pode ser realizado com bucha seca de material granular ou com concreto magro. A bucha é socada pelo pilão até a formação do bulbo. A quantidade de material do bulbo será definida no projeto de fundações.

4. Colocação da armadura

De acordo com a NBR 6122/2010, as estacas Franki podem ser executadas sem o uso de armaduras em casos especiais. Porém, normalmente mesmo quando as solicitações de carga em que as estacas estarão submetidas não indiquem o uso de armadura, utiliza-se uma armadura mínima por motivos de ordem construtiva.

Geralmente, a armadura dessas estacas são longitudinais, ao longo de seu comprimento, e transversais, formadas pelos estribos que podem ser colocados de um a um ou realizados em espiral.

5. Concretagem dos furos

Depois de realizada a cravação dos furos e a devida colocação das armaduras, realiza-se o processo de concretagem das estacas.

O consumo mínimo de cimento deve ser de 350kg/m3 e o concreto deve ser lançado em pequenas quantidades com sucessivas compactações e retirada do tubo de revestimento.

Processo executivo da Estaca Franki
Processo executivo da Estaca Franki (Fonte: Infraestrutura Urbana)

Vantagens da Estaca Franki

  • Podem suportar grandes cargas.
  • Apresentam boa resistência lateral e de ponta, contribuindo para a dissipação das cargas no solo.
  • Atingem camadas profundas do solo.
  • Podem ser executadas abaixo do nível de água.

Desvantagens da Estaca Franki

  • Causa muita vibração no terreno. É recomendado realizar laudo pericial em todas as edificações vizinhas antes do início de sua execução e registrar as condições das estruturas no entorno da obra.
  • Durante o processo de cravação, deve ser constantemente supervisionada pois pode ocorrer levantamento das estacas já instaladas.
  • Demandam tempo na sua execução que podem ocasionar maiores custos com mão-de-obra e equipamentos.
  • É necessário espaço amplo no canteiro de obras para o manuseio de seus equipamentos

Confira no vídeo abaixo uma animação com um passo a passo de como é executada a estaca Franki:

Quer citar este artigo em seu trabalho? Utilize o modelo abaixo:

PEREIRA, Caio. ESTACA FRANKI: Processo Executivo, Vantagens e Desvantagens. Escola Engenharia, 2017. Disponível em: https://www.escolaengenharia.com.br/estaca-franki/. Acesso em: 16 de dezembro de 2017.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *